Tradição e ciência: o papel das parteiras no Brasil na garantia de partos seguros e respeitosos.

Parteiras tradicionais e cientistas trabalham lado a lado para promover o parto seguro no Brasil.

Conversamos com Nayane Cristina, uma parteira que atua no Sistema Único de Saúde (SUS) em Brasília. Ela conta que desde os 4 anos já sabia que queria ser parteira, inspirada pelas histórias de sua avó, que teve oito partos em casa.

A história de Nayane para se tornar uma parteira incluiu a faculdade de enfermagem e residência em obstetrícia. No Brasil, a assistência ao parto por enfermeiras obstetras está prevista em uma lei de 1986 e em resoluções do Conselho Federal de Enfermagem (CFE). Pela legislação, compete às enfermeiras prestar assistência ao parto normal de evolução fisiológica e ao recém-nascido.

Na região administrativa de São Sebastião, no Distrito Federal, onde Nayane trabalha, 13 parteiras assistem, em média, 37 partos por mês, seguindo um modelo respeitoso que ajuda a diminuir as taxas de partos por cesariana.

Segundo dados da Fiocruz, a taxa de cesariana no país é de 55%, e na rede particular, o índice ultrapassa os 80%. Foi a busca por viver um parto com mais autonomia e menos intervenções que guiou a escolha da psicóloga Marília Tomé, que teve seus dois partos assistidos por parteiras.

O auxílio das parteiras em todas as fases do processo foi fundamental para Marília, que ressaltou a importância das visitas domiciliares e do apoio com amamentação.

É importante destacar que a escolha pelo acompanhamento com parteiras não exclui o papel dos médicos na gestação. As parteiras também atuam munindo as gestantes de informações, considerando a autonomia das mulheres.

A médica obstetra Monique Novacek ressalta que as mulheres que contam com esse cuidado duplo chegam mais preparadas para o parto.

A medicina trouxe avanços que salvam vidas diariamente. Ao mesmo tempo, há beleza em ver que as tecnologias ancestrais persistem. As parteiras tradicionais continuarão a amparar as crianças, nas mãos modernas das mulheres que atendem a esse chamado.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo