Presos são identificados com drogas e celulares no estômago em ação conjunta da SAP e do GOE no CPP de Franco da Rocha

Na última terça-feira (18), uma operação conjunta entre a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) e o Grupo de Operações Especiais (GOE) resultou na prisão de dois homens suspeitos de aliciar detentos para entrar com drogas no Centro de Progressão Penitenciária (CPP) de Franco da Rocha, após a saída temporária. Durante a ação, foram identificados 24 presos suspeitos de terem ingerido as drogas.

No momento em que os presos retornavam da saída temporária, passaram pelo bodyscanner da SAP e foram encaminhados para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade. Um dos detentos expeliu três celulares e foi levado para a delegacia da região para a elaboração do boletim de ocorrência. Outros cinco presos que também estavam com drogas no estômago permaneceram na unidade hospitalar. Os demais foram levados de volta ao CPP.

Além disso, nas proximidades da operação, o Grupo de Operações Especiais da Polícia Civil encontrou 96 porções de maconha e prendeu dois homens suspeitos de tráfico de drogas. Esses homens são acusados de oferecerem entorpecentes para os dois detentos que estavam prestes a retornar à penitenciária.

Essa ação conjunta entre a SAP e o GOE demonstra o compromisso das instituições em combater o ingresso de drogas e celulares nas unidades prisionais. Infelizmente, é uma prática recorrente em presídios de todo o país, e medidas como essa são essenciais para garantir a segurança dentro das penitenciárias e reduzir a criminalidade.

A utilização do bodyscanner, um equipamento capaz de identificar objetos ilícitos no corpo dos detentos, revelou-se eficiente nessa operação. A tecnologia tem se mostrado cada vez mais necessária para auxiliar no combate ao crime nas unidades prisionais.

No entanto, é preocupante o fato de que ainda existam pessoas dispostas a arriscar a própria vida e a saúde dos detentos para levar drogas e celulares para dentro dos presídios. Isso evidencia a necessidade de intensificar as medidas de segurança e o controle rigoroso nas saídas temporárias, a fim de evitar que esse tipo de situação se repita.

As autoridades responsáveis pelo sistema penitenciário devem continuar trabalhando em conjunto para identificar e punir os envolvidos nesse tipo de crime. Além disso, é fundamental investir em políticas de ressocialização e assistência aos detentos, a fim de reduzir a necessidade do uso de drogas e da comunicação ilícita dentro das prisões.

Em meio a um cenário de constantes desafios na área da segurança pública, é preciso unir esforços para garantir o cumprimento da lei e proteger a sociedade. Ações conjuntas como essa são sempre bem-vindas e devem ser incentivadas, visando a manutenção da ordem e a reabilitação dos detentos.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo