Governo de Lula prorroga presença da Força Nacional no Rio de Janeiro até 2024 para combater crise na segurança pública.

A presença da Força Nacional no Rio de Janeiro foi prorrogada até janeiro de 2024 pelo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A medida foi anunciada pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, e publicada no Diário Oficial da União nesta sexta-feira. A operação, que teve início em outubro, contará com ao menos 150 policiais atuando nas rodovias federais, em resposta a um pedido do governador Cláudio Castro, após a descoberta de treinamento armado de traficantes no complexo da Maré.

A ocupação da área de recreação onde ocorria o treinamento foi realizada pela polícia na semana passada, dando início a operações simultâneas no estado. O objetivo é enfrentar a crise na segurança pública, e Lula também assinou um decreto de Garantia da Lei e da Ordem, que será aplicado nos portos e aeroportos do Rio de Janeiro e de São Paulo. Militares da Marinha e da Aeronáutica serão empregados nesses locais, incluindo os portos do Rio, Itaguaí e Santos, e os aeroportos do Galeão e Guarulhos.

Segundo um interlocutor do governo, a decisão de incluir os aeroportos e porto paulista deve-se ao fato de serem as principais portas de entrada de passageiros e cargas do país. As medidas fazem parte de um esforço para combater o crime organizado e preservar a ordem pública e a segurança das pessoas e patrimônio no estado.

A prorrogação da presença da Força Nacional no Rio de Janeiro demonstra a gravidade da situação e a necessidade de intervenções urgentes para lidar com a crise na segurança pública. A decisão do governo mostra o comprometimento em enfrentar os desafios e garantir a ordem e segurança no estado. A atuação conjunta da Força Nacional, Polícia Civil e demais órgãos de segurança é fundamental para combater o crime organizado e proteger a população. Espera-se que as operações em andamento e as medidas anunciadas contribuam para a melhoria da situação no Rio de Janeiro e para a diminuição da violência e criminalidade.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo